Mofo branco no algodoeiro: como identificar e manejar

algodoeiro

mofo branco no algodão

Mofo branco no algodoeiro: saiba como identificar o fungo, a doença, os impactos e como manejar.

O mofo branco, causado pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum, é uma das principais doenças de importância econômica para a cultura do algodoeiro por conta de seus danos expressivos. Está cada vez mais presente em áreas irrigadas onde ocorre rotação com soja e feijoeiro.

A doença pode afetar as plantas de algodão em todas as etapas fenológicas, desde a vegetativa até a fase reprodutiva – período em que ocorrem os maiores danos.

Mofo branco no algodão - Ag.In

Impacto do mofo branco na planta de algodão.

Em lavouras de feijoeiro e algodoeiro, a redução de produtividade causada pelo mofo branco pode chegar a 70%.

Fatores ambientais como umidade acima de 70% e temperaturas na faixa de 10 a 25°C são favoráveis ao desenvolvimento da doença. Com a entrada do inverno fica um alerta aos cotonicultores, pois o clima se torna favorável ao desenvolvimento do patógeno.

O fungo causador do mofo branco é considerado de difícil controle por conta da sua grande capacidade de sobreviver parasitando hospedeiros, plantas em decomposição, ou utilizando a matéria orgânica do solo até que seja instalada uma próxima cultura. Além disso, o fungo sobrevive nas regiões temperadas, tropicais e subtropicais.

Danos do mofo branco no algodoeiro

Os danos do mofo branco geralmente são encontrados no baixeiro das plantas e podem ser identificados como:

  • Murcha em plântulas.
  • Necrose.
  • Podridão úmida em hastes, pecíolos, inflorescências, maçãs e capulhos.
Mofo branco no algodão - Ag.In

Planta com forte pressão de mofo branco.

Como o mofo branco age na lavoura de algodão?

Ao germinar, o fungo Sclerotinia sclerotiorum forma apotécios, que são pequenas estruturas que lembram a aparência dos vulcões. Essas estruturas liberam os ascósporos que infectam as flores senescentes.

Em condições favoráveis os micélios colonizam as partes senescentes, que entram em contato com as partes saudáveis da planta e acabam espalhando a doença.

Como consequência o fungo continua a crescer e, de 7 a 10 dias após o aparecimento dos micélios, é possível visualizar os escleródios no caule da planta, nas maçãs e folhas.

Nessa etapa, o fungo, que se encontra na forma de escleródio, pode ser misturado com sementes e galhas ou cair no solo, se propagando por outras safras.

Sclerotinia sclerotioru é um fungo que merece atenção por ter diversas características de sobrevivência que tornam o seu controle um obstáculo: ele é capaz de permanecer no solo por até 11 anos.

Manejo do mofo branco no algodoeiro

O período crítico para o monitoramento e manejo do fungo S. sclerotiorum, causador mofo branco no algodoeiro, se estende por todas as fases em que a planta possui flores. Durante a floração o fungo se dissemina mais rápido já que a flor é sua fonte de energia principal para iniciar novas infecções.

Mofo branco no algodoeiro - Ag.In

Características visuais do mofo branco na planta de algodão.

Nesse contexto, a primeira aplicação de fungicidas deve ser feita preventivamente, quando surgirem as primeiras flores na parte inferior das plantas. Podem ser necessárias até 3 aplicações em intervalos adequados, de 10 a 12 dias, dependendo das condições ambientais e da pressão da doença.

Além do manejo químico, para o manejo efetivo da doença é importante integrar práticas como:

  • Manejo cultural
    Rotação de cultura com gramíneas e plantio sobre a palhada são estratégias importantes quando a região apresenta histórico da doença.
  • Manejo de sistemas produtivos
    Em áreas onde o algodão é plantado após o feijoeiro, por exemplo, é importante que o monitoramento e manejo da doença aconteçam durante todo o ciclo das duas culturas.
  • Rotação de grupos de fungicidas
    Para evitar que o patógeno desenvolva resistência, a rotação de produtos é indispensável.
  • Controle de tráfego de equipamentos
    É preciso ter controle total sobre os equipamentos que entram e saem da lavoura. Assim, é possível saber de onde o maquinário veio, e se o local poderia apresentar doenças como o mofo branco.

Vale reforçar que a principal medida de controle da doença é a prevenção. Por isso é importante evitar a entrada do mofo branco na área. Utilize sempre plantadeiras e colhedoras higienizadas e cuide para que, caso a doença ocorra, ela não expanda sua presença para safras posteriores.

Consultoria e suporte técnico para altas produtividades com a cultura do algodão

Precisa da Consultoria Técnica da Ag.In para algodoeiro?
– Fale com nosso especialista.
anderson.pereira@agin.agr.br
(34) 9951-5475.

Quer conhecer melhor a Ag.In?
Siga-nos no instagram e no linkedin.
Fale com a gente pelo whatsapp clicando no botão laranja no canto da sua tela.

Atendimento
Enviar mensagem